Ureia revestida com polímero de liberação controlada na qualidade fisiológica de sementes de quiabo

Miquéias de Oliveira Assis, Annanda Mendes Costa, Andréia Márcia Santos de Sousa David, Igor Santos Alves, Josiele Silva Rocha, Pablo Fernando Santos Alves

Abstract


Resumo: Objetivou-se com este trabalho avaliar a influência da ureia revestida com polímero de liberação controlada na qualidade fisiológica de sementes de quiabo, cultivar Santa Cruz 47. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado com quatro repetições. O experimento constou de duas partes. Na primeira, foram avaliadas quatro doses de nitrogênio (0, 48, 96, e 144 kg ha-1) aplicadas utilizando-se como fonte, uma mistura comercial contendo 30% de ureia comum e 70% de ureia com polímero de liberação controlada. Na segunda parte, testou-se o efeito de duas fontes de nitrogênio, ureia convencional e ureia com polímero de liberação controlada, na dose de 120 kg ha-1. Na primeira parte, as médias dos tratamentos foram comparadas pela análise de regressão e na segunda, pelo teste “t” em nível de 5%. Para a avaliação da qualidade fisiológica das sementes, os seguintes testes e/ou determinações foram realizados: teor de água, emergência de plântulas, índice de velocidade de emergência, comprimento de plântulas, massa fresca e seca de plântulas, e condutividade elétrica. A qualidade fisiológica de sementes de quiabo, cultivar Santa Cruz 47, reduz com a aplicação das doses de mistura comercial contendo ureia convencional e uréia revestida com polímero de liberação controlada. As fontes de nitrogênio utilizadas não influenciaram a qualidade fisiológica das sementes de quiabo.


Keywords


Abelmoschus esculentus (L.) Moench, germinação, vigor, adubação, nitrogênio.



Copyright (c)