Macrofauna invertebrada edáfica em pastagem sul brasileira sob diferentes preparos orgânicos

Leila Aubrift Klenk, Maria Aparecida Cassilha Zaedaneack, Antonio Carlos Vargas Motta, Rangel Consalter, Ana Simone Richeter, Eder Borges

Abstract


Apesar da importância da macrofauna invertebrada edáfica para o funcionamento do ecossistema, existem poucos estudos com pastagens subtropicais brasileiras, principalmente em sistemas orgânicos. Este trabalho teve o objetivo de avaliar a densidade e a riqueza da macrofauna edáfica, em área com dois a três anos de estabelecimento de pastagem orgânica sob pastoreio rotativo, submetidos a três tratamentos, a saber: SO (Sistema orgânico), BD (Sistema orgânico + preparados biodinâmicos) e EM (Sistema orgânico + Embiotic®). Monólitos de solo foram coletados em quatro épocas (dezembro de 2008, março, junho e setembro de 2009) para avaliação da macrofauna edáfica. A produtividade obtida foi alta quando comparada as pastagens nativa da região, dado provavelmente a alta fertilidade do solo utilizado. Nem a produtividade ou demais parâmetros de qualidade de pastagem não foram influenciadas pelos tratamentos. As maiores densidades da macrofauna foram encontradas no inverno de 2009, com média entre os tratamentos de 3.904 organismos por metro quadrado, seguido do verão 2009, com média de 3.075 organismos por metro quadrado. O número de grupos identificados variou de 12 a 18, em função do tratamento e época estudada. Constatou-se diversidade de grupos funcionais, sendo que formigas, cupins, coleópteros, minhocas e enquitreídeos apresentaram maior densidade. A densidade total da macrofauna edáfica não foi influenciada pelos tratamentos utilizados, com pequena variação dentro das diferentes épocas estudadas. Preparados biodinâmicos e acelerador de decomposição não tiveram influência na produtividade e qualidade das pastagens e também sobre a macrofauna edáfica nas condições estudadas.


Keywords


Pastoreio rotativo, preparados biodinâmicos, pastagem orgânica, microrganismos eficientes, índices ecológicos

Comments on this article

View all comments


Copyright (c)