Indução de tolerância ao estresse hídrico na germinação de sementes de feijão-caupi

Bruno Agostini Colman, Cássio Miranda Nunes, Gabrielle de Lima Masson, Rogério Hidalgo Barbosa, Anísio da Silva Nunes

Abstract


Estudos com diversas espécies têm sido realizados sob condições de deficiência hídrica. Entretanto, no processo germinativo e em plântulas jovens, há poucos trabalhos visando o desenvolvimento de técnicas que buscam uma futura tolerância e aclimatação das plantas ao estresse hídrico. Diante do exposto, o objetivo deste trabalho foi simular a deficiência hídrica na germinação de sementes de feijão-caupi e avaliar se o choque térmico aplicado durante a embebição pode levar a cultura à adquirir tolerância ao estresse. As sementes foram submetidas ao processo de embebição e permaneceram em B.O.D. à 25ºC por 24 horas. Posteriormente, parte foi mantida nessa temperatura e parte transferida para o choque térmico à 7ºC por mais 24 horas. Tanto as parcelas que passaram pelo choque, quanto as demais, foram transferidas para substrato umedecido com soluções de manitol, nas concentrações: 0; 22,29; 44,58; 66,87 e 89,17g L-1, simulando os potenciais osmóticos de 0; -0,3; -0,6; -0,9 e -1,2 Mpa em B.O.D. à 25ºC. Foram avaliados: germinação, índice de velocidade de germinação, plântulas anormais, comprimento da parte aérea, comprimento de raiz primária, comprimento total de plântula e relação raiz/parte aérea. O melhor desempenho na germinação foi obtido pelas sementes que passaram pelo choque térmico à 7ºC por 24 horas, o que permite afirmar que ocorreu uma indução de tolerância cruzada e que esta pode ser ativada no início do processo de embebição em sementes de feijão-caupi.


Keywords


Vigna unguiculata; potencial osmótico; choque térmico; manitol

Comments on this article

View all comments


Copyright (c)