Reader Comments

Disparidade da Internet no Brasil

by Sra Marcela Dias Silva (30-01-2018)


Disparidade da Internet no Brasil

A Disparidade na Internet no Brasil é enorme e infelizmente apenas 60% da população possuem conexão de internet fixa na residência, ou seja planos de Internet de empresas como VIVO, OI, TIM E NET.

Apesar do relatório sobre economia digital divulgado  pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento colocou o Brasil em quarto lugar no ranking mundial de usuários de internet.

Hoje, já são mais de 120 milhões de pessoas conectadas, o Brasil fica atrás apenas dos seguintes países:

  • Estados Unidos (242 milhões)
  • Índia (333 milhões) 
  • China (705 milhões)
  • Depois do Brasil, aparecem Japão (118 milhões)
  • Rússia (104 milhões)
  • Nigéria (87 milhões)
  • Alemanha (72 milhões)
  • México (72 milhões) 
  • Reino Unido (59 milhões).

Ficou feliz com a quarta posição do Brasil? Pensando bem, isso é positivo?

Quando analisamos o número de brasileiros conectados, se for considerado somente o total de usuários e esquecer que somos um país continental e com uma população de mais de 220 milhões de habitantes, verá que o desmpenho do Brasil é bem inferior na proporção em comparação com outros paíse que aparecem abaixo no ranking.

Segundo dados da União Internacional de Telecomunicações (UIT), o país tem 59% de usuários conectados, percentual inferior ao do Reino Unido (94%), Japão (92%), Alemanha (90%), Estados Unidos (76%) e Rússia (76%).

O México possui o mesmo índice do Brasil. China e Índia, países com mais de 1 bilhão de habitantes, ficam atrás juntamente com a Nigéria.

O relatório da UNCTAD avaliou também o ritmo de crescimento do acesso à internet nos últimos anos, considerando o período de 2012 a 2015.

Segundo o estudo, o crescimento médio do país no período foi de 3,5%, atrás de Índia (4,5%), Japão (4,6%), Nigéria (4,9%) e México (5,9%). Países mais ricos - como Estados Unidos, China, Alemanha e Reino Unidos - apresentaram um ritmo ainda mais lento do que o Brasil. Contudo, essas nações já possuem taxas de penetração maiores, segundo apontam os dados da União Internacional de Telecomunicações.

Desigualdade da Internet

Mesmo com um grande contigente de brasileiros conectados, dados da pesquisa TIC Domicílios, do Núcleo de Informação e Comunicação do Comitê Gestor da Internet (CGI-Br), apontam que ainda há desigualdade no acesso à internet.

De acordo com o levantamento, divulgado em setembro, o percentual de lares conectados é de 59% nos centros urbanos, contra 26% nas áreas rurais. No recorte regional, o índice é de 40% no Nordeste, contra 64% no Sudeste.

A disparidade também aparece quando observada a situação econômica. De acordo com a pesquisa do CGI-Br, a internet está em 29% das casas com famílias com renda de até um salário mínimo, contra um índice de 97% naquelas que ganham até 10 salários mínimos. Enquanto na classe A a penetração é de 98%, nas classes D e E ela fica em 23%.

Afinal, quantas pessoas conseguem pagar um NET Combo por exemplo?

NET Combo é quando uma pessoa física ou jurídica faz a assintatura dos produtos: NET TV, NET Virtua, NET FONE e em alguns casos, ainda adicionam um celular na fatura, formando assim um Combo Multi.

Linkei as páginas acima, para verem o valor destes planos e como é possível perceber, a classe C e D sofrem para pagar 200 reais por mês em um Combo, afinal são mais de R$2.400 reais ano.

Famílias da classe A e B, chegar a ter planos que chegam a custar até R$9.000 ano, preço de por exemplo uma moto ou até um carro usado.

Qualidade dos Serviços de Internet no Brasil.

Embora o Brasil tenha muitas pessoas conectadas, a velocidade ainda é ruim e o acesso muito baseado em telefones celulares, com planos pré-pagos e franquias baixas, que muitas vezes não duram até o fim do mês.

Se você gosta de assistir filmes e vídeos no celular no seu pacote de dados, verá que em alguns casos, você acaba com um plano de 2GB de dados em apenas 1 ou 2 dias. 

A velocidade de provimento é menor do que a média mundial.

Muitas pessoas ainda dependem de franquias ou de usar o rede wi-fi. 

Espero que de fato as gigantes de Telecom façam um trabalho positivo levando pontos de WIFI para comunidades e pontos de difícil acesso. Isso poderia ajudar e muito na educação de zonas rurais e até grandes centros que ainda não receberam o cabeamento em fibra ótica das operadoras de telecom!